Home / Debutantes / A volta do modismo das “Festas de Debutantes

A volta do modismo das “Festas de Debutantes

Escritora adolescente comenta sobre como é ter esta idade
Texto: Giovanna Vaccaro

Crédito da Imagem: Donna Newman/Daily Mail

Sabe aquele sonho de ter uma festa de debutante aos quinze anos? Quando eu era menor, não entendia um ponto sequer deste assunto. Eu preferia ganhar um presente a ter uma festa. Para mim, um presente legal seria muito mais proveitoso.

Mas no ano em que eu completei quinze anos, entendi todos os pontos e vírgulas desse momento. Porque aos quinze anos, tudo é infinito. As coisas mudam e começamos a pensar o porquê de tudo ser diferente depois desta data.

A festa em si não é só vestidos, sapatos, coroas, flores e amigos… A grandeza dessa festa é maior do que podemos imaginar. Porque é ali, naquele salão, com nossos familiares e amigos, que notamos  o quanto amadurecemos.

Depois dos quinze, aprendemos que a paleta de cores de nossas vidas vai além do rosa e dos tons mais inofensivos. Aos poucos, trocamos o rosa pelo vermelho, pelo vinho e por outras cores que antes considerávamos chatas. Depois dos quinze, entendemos tanta coisa que não entendíamos antes – ou entendíamos, mas nunca tínhamos parado para pensar sobre eles e lançar um olhar diferente.

Depois dos quinze, vamos entender que o nosso príncipe não precisa necessariamente de um cavalo branco. Ele precisa fazer nós nos sentirmos a menina (e a mulher) mais especial do mundo. Vamos ver que alguns deles são lobos escondidos em pele de cordeiro, outros são bons príncipes, mas não combinam em nada com a gente. Mas um dia desses sei que vamos encontrar o príncipe verdadeiro. E não podemos nos assustar se ele estiver simplesmente andando pela rua, despercebido pelas outras pessoas e só chamar a nossa atenção. O amor é assim, não é? Uma coisa fácil.

Depois dos quinze vamos entender que alguns problemas, na verdade, não são problemas. E que existe tantas pessoas boas por aí, amigos legais, familiares compreensivos… Nós vamos começar a entender um pouco sobre a “chatice” de nossos pais e a dar valor àquele “eu te amo”.

Depois dos quinze vamos passar pelos vinte, trinta, quarenta e por todos aqueles cremes anti-idades dos quais não gostamos agora. Mas, calma! Nós temos de aproveitar os quinze agora, porque tudo isso acaba, mas ainda não acabou, não é? Temos de aproveitar os passeios, os amigos virtuais, os diários, os crushes, o colégio…

Depois dos quinze, tudo se altera. E depois de um tempo, tudo acaba. Um dia vamos estar velhas, relembrando os momentos bons que tivemos durante os nossos quinze. Tenho certeza de que vamos abrir vários sorrisos lembrando-se disso tudo.

Quem é Giovanna Vaccaro?

Autora de dois livros publicados, “Procura-se” e “E Se…”, ela já acumula a participação em duas Bienais do Livro pelo País e outros projetos profissionais. Hoje, com 16 anos, faz parte da “Galera Capricho”, escrevendo semanalmente na revista teen sua coluna sobre beleza, comportamento e livros. Também cuida do “Clube do Livro”, da TV Capricho on-line, que vai ao ar ao vivo todas às terças-feiras, e ainda tem seus próprios projetos na internet.

Serviço:

Giovanna Vaccaro – Autora/Blogueira/Colunista

Editora Coerência: www.editoracoerencia.com.br

Canal no YouTube: www.youtube.com/channel/UCGiCwoqj9Qzjd4X3D5sVcWg

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.