Home / Gastronomia / Champagne, Prosecco & cia: quais são as principais diferenças entre os espumantes?

Champagne, Prosecco & cia: quais são as principais diferenças entre os espumantes?

Por Priscilla Silvestre

De acordo com sommelière Lana Ruff, antes de tudo é preciso conhecer os métodos de vinificação para entender as principais diferenças entre Champagne, Prosecco e Cava

Que o espumante é considerado uma bebida clássica ninguém pode negar.

Mas você sabe como definir as principais diferenças entre os seus mais diversos e conhecidos tipos?

De acordo com Lana Ruff, sommelière da Evino, antes de tudo, é preciso entender os dois métodos principais de vinificação de espumantes.

Isso porque são eles os responsáveis por orientar o estilo e o preço da bebida a ser produzida.

Método tradicional (conhecido como Champenoise em Champagne)

Aromas definem o tipo do espumante

O líquido passa normalmente pela primeira fermentação (a alcoólica – aquela que transforma suco em vinho) e depois é engarrafado para ser submetido a uma segunda fermentação, onde surgirão as borbulhas.

Neste caso, uma superfície maior da bebida permanece em contato com as leveduras responsáveis por esses processos fermentativos, o que dá ao vinho notas aromáticas de pão e brioche, além de uma textura cremosa.

Método Charmat

Após a fermentação alcoólica, o vinho é mantido em cubas para passar pela segunda fermentação.

Só depois disso ele é engarrafado.

O contato com as leveduras é pouco, mas as características varietais (aquelas próprias da uva) são mantidas, o que confere ao vinho notas aromáticas frutadas e florais.

O Prosecco é produzido na região do Vêneto, no nordeste da Itália

O Prosecco é produzido na região do Vêneto, no nordeste da Itália

O famoso Champagne, por exemplo, é o espumante elaborado somente e exclusivamente na região de Champagne, no norte da França.

O método utilizado deve ser o tradicional e somente três uvas são permitidas: Chardonnay, Pinot Noir e Pinot Meunier.

“Devido ao método Champenoise, em que o vinho passa por uma segunda fermentação já dentro da garrafa, é comum sentir aromas que lembram pão, torrada, brioche e manteiga”, explica.

Já o Prosecco é o espumante elaborado somente na região do Vêneto, no nordeste da Itália.

O método de vinificação utilizado é o Charmat – em que o vinho sofre a segunda fermentação em grandes cubas e, portanto, retém suas características primárias, de frutas e flores.

“A única uva usada também leva o nome de Prosecco, embora recentemente tenha sido reapelidada de Glera. Em geral, os espumantes Proseccos tendem a ser refrescantes e oferecem abundância de borbulhas”.

Um meio termo que conquistando cada vez mais espaço

Não podemos esquecer o Cava. Pouco conhecido pela grande maioria, ele é considerado o espumante favorito dos espanhóis e saem majoritariamente da região da Catalunha, no nordeste da Espanha.

De acordo com a sommelière, eles são produzidos segundo o método tradicional, tipicamente com as uvas Macabeo, Parellada e Xarel-Lo.

O Cava vem conquistando novos adeptos pela sua relação custa/benefício

O Cava vem conquistando novos adeptos pela sua relação custa/benefício

As uvas Chardonnay e Pinot Noir também podem ser utilizadas e, para os rosés, estão permitidas Garnacha, Monastrell e até Cabernet Sauvignon.

“O Cava é caracterizado pela excelente relação de custo versus benefício e por funcionar como uma espécie de meio termo entre Champagne e Prosecco. Isso porque ele herda características das leveduras, mas, como normalmente passa menos tempo em contato com elas na garrafa, retém aromas frescos de frutas e flores”, pontua.

De acordo com Lana, todos os exemplos citados acima são considerados espumantes.

“Para ser espumante basta ter perlage (conjunto de borbulhas). A borbulha é simplesmente o gás carbônico gerado no processo fermentativo do vinho e retido nele com condições especiais de temperatura e pressão”.

Para ela, as principais diferenças entre os mais diversos tipos de espumantes são consideradas fatores culturais que motivam métodos de produção diferentes.

“Nem sempre é fácil distinguir um tipo de espumante de outro. Um aspecto que nos traz dicas e permite diferencia-los é o aroma. Champagnes cheirarão a pão e brioche em virtude do maior contato com leveduras enquanto os espumantes Charmat oferecerão uma característica mais frutada e, em geral, cítrica”, finaliza.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.